Semana da Conscientização do Autismo da ODAPP, o que aconteceu?

Dia 2 de abril comemora-se o dia Mundial da Conscientização do Autismo, por isso todo ano muitas empresas, profissionais e famílias costumam organizar a semana e/ou o mês de Conscientização do Autismo. Neste ano de 2022, nós, da Odapp Autismo, realizamos a nossa Semana da Conscientização.

Do dia 31 de março ao dia 8 de abril, diversos profissionais abordaram diferentes aspectos relacionados ao Autismo, pois a temática deste ano foi Interdisciplinaridade. Os convidados foram profissionais das mais diversas áreas, de diversos Estados como São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Fortaleza, Brasília, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e de Aveiro (Portugal). Todos proporcionaram experiências únicas, transmitindo conhecimento para toda a comunidade autista. O evento contou com Lives e exposições artísticas.

Dia 31 de março as profissionais Rahissa Mafra e Bruna Bezzeril deram início ao evento, sendo que a primeira, às 19 horas, abordou sobre Autismo na Infância e na Adolescência e a segunda, às 20 horas, em parceria com a Rádio Ame os Raros, abordou sobre Terapias Comportamentais na Vida de Crianças com TEA.

No dia 01 de abril, a convidada foi a Psicóloga Marina Almeida que, às 18:30, falou a respeito do Desenvolvimento Psicossexual das Pessoas Autistas e durante a Live a participante deixou várias indicações de livros: Jogo de cartas Conversinha Teens-livraria Florence; Série Descobertas Maria está menstruada; Maria aprende sobre intimidade;João aprende intimidade – Amazon ou na Carlos livraria; Sexuality and severe Autism autora Kate Reynolds- Amazon; Falando com seu filho sobre sexo – Summus Editora; Sexo e Adolescência- Editora Atica; Série Coisas da Vida – Editora Artemed; Enquanto isso no mundo do autismo -Editora Memnon; Uma vivência de Amor- Êxitos Scipione.

Já no dia 02 de abril, dia da Conscientização Mundial do Autismo, contamos com a presença da Neuropsicóloga Leticia Segretti, que, às 20 horas, em parceria com a Rádio Ame os Raros,abordou o tema Avaliação do Autismo.

No 04 de abril ocorreram duas Lives, a primeira, às 18 horas, com a Terapeuta ABA Raquel Nunes, de Portugal, e a segunda, às 20 horas, com o Ph.D Lucelmo Lacerda. Na primeira Live o tema abordado foi Intervenção Precoce no TEA. Já na segunda, que ocorreu em parceria com a Rádio Ame os Raros, o tema trabalhado foi A Atuação do Analista do Comportamento e do Acompanhante Terapêutico no Cuidado de Crianças com TEA: Atualidade e Tendência.

Em continuidade ao evento, no dia 05 de abril, o convidado foi o Psicólogo Matheus Alves que transmitiu seu conhecimento a respeito das Habilidades Sociais no TEA.

Já no dia 06 de abril, às 18 horas, a Psicóloga e Acompanhante Terapêutica, Débora Guerra falou sobre a Importância do Acompanhante Terapêutico no Tratamento de Pessoas com TEA. No mesmo dia, às 20:30, Rodrigo Tramonte, Autista, Cartunista e escritor, falou sobre O Lado Sério do Autismo, explicando sobre suas vivências, dificuldades, facilidades e sobre seus trabalhos profissionais.

No penúltimo dia do evento, 07 de abril, a convidada, Fisioterapeuta e Analista de Negócios, Tatiana Sanches, explicou sobre a Regulamentação nas Operadoras de Saúde, esclarecendo a respeito do papel das mesmas, da forma de atuação e sobre a regulamentação que seguem.

Por fim, a profissional, Psicopedagoga Núbia Rosetti, no dia 08 de abril, abordou sobre  Modelos cognitivos no TEA. Nesta Live a convidada falou sobre os Modelos Cognitivos, sobre estratégias pedagógicas, assim como questões referentes ao processo de aprendizagem.

É importante enfatizar que durante todo o período do evento, todos os dias às 12 horas, ocorreu a exposição de talentos do artista Lucas, que através das suas obras, Guaxinim TEA, sempre aborda aspectos concernentes ao Autismo e sobretudo sobre ele mesmo.

Se você não assistiu as Lives, todas ficaram gravadas no instagram da Odapp e também no instragram da Rádio Ame os Raros. A seguir os links para que você possa acompanhar e aprender com cada uma delas:

Rahissa Mafra

Bruna Bezerril

Marina Almeida

Leticia Segretti

Raquel Nunes

Lucelmo Lacerda

Matheus Alves

Débora Guerra

Rodrigo Tramonte

Tatiana Sanches

Nubia Rosetti

Lucas Cartunista

Rebeca Collyer dos Santos – 
Customer Success

Psicóloga formada pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, pós-graduada em Transtorno do Espectro Autista e pós-graduanda em Neurociência pelo Centro Universitário Internacional UNINTER, com cursos na área de Educação Inclusiva pela Universidade Federal de São Carlos. Atua como Psicóloga na clínica CAEP, em Poços de Caldas (MG) e como Customer Success na empresa ODAPP Autismo.

Inclusão da Escala M-CHAT-R/F na nova versão da caderneta da criança

A escala M-CHAT-R/F é um instrumento utilizado para auxiliar a identificação de pacientes com idade entre 16 e 30 meses com possível Transtorno do Espectro do autismo. O instrumento pode ser utilizado por qualquer profissional da área da saúde, e é de rápida aplicação. O mesmo pode ser respondido pelos cuidadores e pais da criança durante a consulta. Segundo a Lei nº 13.438, de 26 de abril de 2017, a avaliação pela M-CHAT-R é obrigatória para crianças em consultas pediátricas de acompanhamento realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Já a caderneta da criança, é um instrumento que auxilia no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil, sendo assim todo cidadão tem direito a receber um exemplar no momento do seu nascimento. A mesma contém o desenvolvimento afetivo, cognitivo e de linguagem, bem como os marcos de desenvolvimento neuropsicomotor. Vale ressaltar que informações como vacinas, alimentação saudável e aleitamento materno também estão contidas na caderneta a fim de proteger a saúde da criança.

Com isso, na 3ª edição da Caderneta da Criança, ocorrerá a inclusão da escala M-CHAT-R/F, que, como já citado, auxilia na identificação de pacientes com idade entre 16 e 30 meses com possível Transtorno do Espectro do autismo. Portanto, a partir de março, a versão impressa desta 3ª edição chegará ao DF e aos demais estados de todo o Brasil, tendo em vista que a remessa a ser enviada será de aproximadamente 10 milhões de cadernetas.

Vale ressaltar que na Odapp (www.odapp.org) o profissional pode cadastrar a escala M-CHAT-R/F e registrar as respostas obtidas, sendo assim, na web, o profissional cria a escala e no aplicativo do celular o mesmo coleta os dados. Confira a seguir um breve exemplo da escala M-CHAT-R/F dentro do aplicativo:

Gostou dessa informação? Não deixe de acompanhar os próximos conteúdos e até mais.

Referências:

BRASIL. Ministério da Saúde – Governo Federal. Nova versão da Caderneta da Criança será enviada para todo o Brasil. Brasília, 2022.

Rebeca Collyer dos Santos – 
Redatora e Editora Chefe
do observatório do Autista.

Psicóloga formada pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, pós-graduada em Transtorno do Espectro Autista e pós-graduanda em Neurociência pelo Centro Universitário Internacional UNINTER, com cursos na área de Educação Inclusiva pela Universidade Federal de São Carlos. Atua como Psicóloga na clínica CAEP, em Poços de Caldas (MG), como Customer Success na empresa Odapp Autismo e redatora do blog Observatório do Autista.

Autismo e relacionamentos amorosos

Como sempre escrevo aqui, pessoas com o TEA enfrentam preconceitos, estereótipos e lidam constantemente com informações errôneas a respeito do diagnóstico, entretanto existem muitas questões que são relevantes e necessitam de atenção. Falar a respeito de relacionamento amoroso é uma delas. Esse assunto é tratado por profissionais da área da saúde, em diversos artigos científicos e também em filmes como “Atypical” e documentários como o “Amor no espectro”.

Segundo Willian Chimura (2021) as dificuldades relacionadas aos relacionamentos de pessoas com o Transtorno do Espectro do Autismo se dão devido alguns fatores, sendo eles: déficits em reciprocidade social e emocional; déficits em comportamentos não verbais usados para a interação social; e déficits em desenvolver, manter e entender relacionamentos (teoria da mente).

Um estudo qualitativo realizado por BRILHANTE, A. V. M. et al (2021), com 14 autistas oralizados (verbais), com idades de 15 a 17 anos, matriculados em escolas regulares, teve como objetivo identificar as demandas de autistas sobre sua sexualidade e o paradigma da neurodiversidade. É importante observarmos os resultados desse estudo para melhor compreensão do assunto, afinal, é através de estudos que validamos e entendemos melhor determinado assunto, não é mesmo?

Uma questão importante apresentada como resultado da pesquisa foi a dificuldade que pais e professores tiveram em reconhecer autistas como pessoas sexuadas. Nesse sentido falsas crenças sobre o autismo foram alimentadas. Outra questão importante foi em relação às experiências e às demandas das pessoas autistas quanto à sua sexualidade, pois são tão diversas quanto o espectro. Por isso necessitam de uma estrutura de apoio adaptável, que leve em consideração os desejos, as necessidades, as dificuldades e os comprometimentos. Vale ressaltar que pessoas com TEA possuem dificuldades nas relações sociais em geral e não somente nas relações amorosas.

Se você é um(a) profissional que trabalha com esse público ou com outros transtornos do neurodesenvolvimento, venha conhecer a ODAPP (www.odapp.org), uma plataforma de gestão terapêutica completa que irá lhe auxiliar na praticidade dos seus atendimentos.

Gostou desse conteúdo? fique atento aos próximos e obrigada por me acompanhar até aqui.

Referências

Amor no Espectro. Direção de Cian O’Clery. Austrália: NETFLIX, 2020. Acesso em: 28 de dez de 2021.

Atypical. Criação de Robia Rashid. Estados Unidos: NETFLIX, 2017. Acesso em: 28 de dez de 2021.

BRILHANTE, A. V. M. et al. “Eu não sou um anjo azul”: A sexualidade na perspectiva de adolescentes autistas. Ciênc. Saúde Coletiva [online]. 2021, vol. 26, n. 02, p. 417 – 423. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/csc/a/CLJhwP677n6865nSVZW78hf/?lang=pt>. Acesso em: 27 de dez de 2021.

CHIMURA, William da Costa. Autismo e dificuldades em relacionamentos. 2021. (08:45). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=6NgJfgfPk5o>. Acesso em: 24 de dez de 2021.

Rebeca Collyer dos Santos – 
Redatora e Editora Chefe
do observatório do Autista.

Psicóloga formada pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais , pós-graduada em Transtorno do Espectro Autista e pós-graduanda em Neurociência pelo Centro Universitário Internacional UNINTER, com cursos na área de Educação Inclusiva pela Universidade Federal de São Carlos. Atua como Psicóloga na clínica CAEP, em Poços de Caldas (MG), como Customer Success na empresa Odapp Autismo e redatora do blog Observatório do Autista.

Implementação de Programas de Treinamento Parental (TP) digital

Um Programa de TP usando ao aplicativo ODAPP deve facilitar o trabalho de co-terapeuta dos pais e, ao mesmo tempo, facilitar o acompanhamento pelos profissionais. Muito embora criado para o ambiente do consultório para organizar manuais e folhas de registro, cada vez mais tem cumprido um papel importante fora do ambiente clínico. É por isso que o aplicativo organiza as atividades em MANUAIS – PROGRAMAS – ATIVIDADES assim como uma biblioteca organiza seus livros em estantes, temas e ordem alfabética:

  • MANUAL: contém PROGRAMAS
  • PROGRAMA: contém ATIVIDADES
  • ATIVIDADE: as intervenções que serão executadas nas crianças

Cada atividade acompanha uma folha de registro associada automaticamente à atividade quando ela é criada. Confira sua versão do aplicativo para conhecer os protocolos de registro disponíveis e como personalizá-los. Para todas as versões, uma AGENDA personalizada pode ser criada para cada paciente seguir sua rotina diária de atividades (check-list).

Ao iniciar uma atividade prepare o ambiente e tenha em mente as dicas sobre “previsibilidade e intencionalidade” e “manutenção das habilidades alcançadas” do último post. Possivelmente o terapeuta adicionou um video ou imagem como modelo para cada atividade registrada além da descrição textual.

Siga o roteiro de atividades no menu AGENDA e não deixe de fazer as anotações nas folhas de registro abaixo de cada atividade. Toda evolução é registrada no menu PROGRESSO. Tanto profissional quanto cuidador têm a mesma visão do progresso com informações numéricas e percentuais dos PROGRAMAS E MANUAIS executados. Data e horário de início e finalização de cada programa de atividades, bem como os percentuais de realização e sucesso alcançados. Adaptações que precisam ser feitas nas atividades são possíveis a partir da constatação da evolução no decorrer do processo terapêutico.

Os planos de intervenção remota, assim como a intervenção presencial, são individuais e personalizados, muito embora o profissional conte com recursos dentro do aplicativo que permitem aproveitar textos, videos e imagens aumentando sua produtividade na elaboração de materiais terapêuticos. Eleger metas simples e graduais garantem o sucesso do programa de TP usando o aplicativo ODAPP, uma vez que favorecem o engajamento dos pais aos assistirem os avanços e as metas serem, sucessivamente, alcançadas. Por isso, o protocolo de registro padrão consiste de dizer se a atividade foi realizada ou não, com sucesso ou não e se com ajuda ou não.

Vale lembrar que, independente das dificuldades da criança e dos pais em fazer as intervenções em casa ou o professor na escola, com orientação adequada e registro das ações no aplicativo ODAPP, todos se mostram capazes em realizar as intervenções. Então, se necessário, aumente o número de orientações parentais, apresente exemplos práticos e enfatize os sucessos dos pais em diferentes situações.

Implementação de programas de Treinamento Parental (TP)

Um Programa de TP exige aperfeiçoamento das habilidades do cuidador até alcançar o status de co-terapeuta mas preserva o papel principal dos pais que é de “pais” propriamente! É importante dotá-los de organização, confiança, motivação e autonomia para participarem ativamente do tratamento e por isso grande parte dos programas sugerem que as primeiras ações de estimulação da criança devam ser realizadas presencialmente em conjunto (terapeuta, família, educador se for o caso) para que o profissional possa apresentar o modelo de intervenção. Se isso não for possível, é importante maior atenção dos cuidadores quanto a:

  1. Ambiente: preparado de forma a manter a atenção da criança (preservar objetos de interesse, excluir itens que aumentam a distração).
  2. Previsibilidade e intencionalidade: a criança deve ser informada previamente das ações que serão feitas e suas consequências, independente de demonstrar aparente desentendimento. Use modelo verbais, visuais ou físicos se necessário. Estimular a iniciativa e protagonismo através de situações que premiem a criança de acordo com suas preferências.
  3. Manutenção das habilidades alcançadas: habilidades são adquiridas, em geral, com condicionamento, repetição e premiação. Mesmo alcançado o objetivo de determinada atividade, muitas vezes é importante mantê-la em execução para minimizar as chances de regressão ou confirmar a aquisição das respectivas habilidades.

Um Programa de TP pode ser implementado da forma convencional com os profissionais treinando os cuidadores presencialmente ou por meio de tecnologias de teleconsulta, telemonitaoramento ou teleconsulta como explicado no último post sobre o assunto. O aplicativo ODAPP neste caso é uma das alternativas para a implementação de um Programa de TP completo.

A consulta online no TEA realmente funciona?


Quando pensamos em consulta online rapidamente nos vem à mente a figura de um profissional auxiliando o seu paciente por videoconferência. Ocorre que existe a teleconsulta, telemonitoramento e teleconsultoria que podem resolver essa questão de formas diferentes como vimos no último post sobre a Diferença entre teleconsulta, telemonitoramento e teleconsultoria”.

Quando o nosso paciente é uma criança pequena, ou mesmo um adolescente ou adulto pouco responsivo ou inquieto, parece que este tipo de atendimento à distância simplesmente não funciona!

A questão principal aqui não é o ser “online” ou “teleconsulta” pois a tecnologia em si não é fim mas meio para conectar quem oferta a terapia com quem precisa. Mesmo que precisemos de um intermediário para facilitar essa conexão: o cuidador!

Esse cuidador pode ser outro profissional (com perfil mais adequado para contato direto com a criança), pessoas do convívio diário com a criança (pais, avós, babás) e profissionais dentro da escola (professores, auxiliares, mediadores). Um método de trabalho muito utilizado e difundido na psicologia para capacitação de cuidadores, em especial na Análise do Comportamento Aplicada e na Terapia Cognitivo-Comportamental, é o Treinamento Parental, ou Treinamento de Pais (TP).

Diferença entre teleconsulta, telemonitoramento e teleconsultoria

Basicamente, a diferença entre teleconsulta telemonitoramento e teleconsultoria é a possibilidade de sua ação ser “ao vivo” (síncrona) ou “gravada” (assíncrona) na presença virtual do profissional que a elaborou. O aplicativo ODAPP, na maior parte do tempo, é utilizado para telemonitoramento. Porém, muitos terapeutas que atuam também com treinamento e avaliação funcional tem utilizado a ferramenta para teleconsultoria. Veja o exemplo do Instituto Comviver para Formação de Acompanhamentes Terapêuticos (at)

Tipicamente, o telemonitoramento é utilizado em complementação à intervenção presencial seja por questões financeiras, geográficas ou por indisponibilidade do contato físico entre o profissional e seu paciente. O telemonitoramento pode ocorrer por meio de um intermediário chamado cuidador, devidamente treinado e monitorado com recursos tecnológicos de comunicação sem fio pelo profissional. Pais treinados e supervisionados por terapeutas, mediadores escolares treinados por Pedagogos com especialização em Educação Especial são exemplos. O treino pode ser assíncrono (gravado e assistido a medida da necessidade) e a supervisão síncrona (envio de dados em tempo real a medida que a intervenção é feita). Ambos podem ser feitos assíncronos (p.e.: não há uma comunicação sem fio disponível no momento da intervenção para envio dos dados). São várias as possibilidades.

A teleconsulta, consulta clínica registrada e realizada pelo profissional à distância, geralmente é utilizada em procedimentos de menor complexidade com contato virtual direto entre o profissional e seu paciente (sem intermediários) “ao vivo”. Softwares de videoconferência são muito populares e ganham cada vez mais adeptos, principalmente nas empresas que oferecem assistência à saúde mental de seus colaboradores.

Já a teleconsultoria tem objetivo maior de transmitir conhecimento por meio de treinamento ou esclarecer dúvidas sobre procedimentos clínicos e ações de saúde. Pode ser síncrona ou assíncroma com contato virtual direto entre o profissional e seu paciente ou grupos de outros profissionais que desejam capacitação na área da saúde.

Todas as versões aplicativo ODAPP liberadas gratuitamente

Liberado para Psicólogos, Fonoaudiólogos, Terapeutas Ocupacionais, Psicopedagogos, seguradoras e operadoras de planos de saúde todas as versões da plataforma ODAPP® GRATUITAMENTE por prazo indeterminado. Ela permite o treinamento de pais e supervisão a distância das terapias em domicílio com autonomia para criação de manuais, folhas de registro online e gráficos de desempenho com controle de data e hora se sua realização.

Conheça todas as versões neste link https://lnkd.in/d263RAw

Pequenas clínicas, Psicólogos, Fonoaudiólogos, Terapeutas Ocupacionais e Psicopedagogos autônomos – os mais afetados – podem baixar gratuitamente o aplicativo no link https://lnkd.in/d263RAw